top of page
Post: Blog2 Post

Temporais no RS: entenda como o relevo de Porto Alegre e as 'marés de tempestade' travam escoamento



A recente tragédia climática no Rio Grande do Sul tem suas raízes na interação complexa entre o relevo de Porto Alegre e os padrões climáticos extremos que assolam a região. Com 447 municípios afetados pelo desastre, os impactos das chuvas intensas e dos alagamentos são devastadores, resultando em 147 mortes e 127 feridos até o momento.


Fonte :G1 Relevo de Porto Alegre

O relevo da capital gaúcha desempenha um papel crucial na retenção das águas, exacerbando os efeitos das chuvas torrenciais. Nas últimas duas semanas, as águas do lago Guaíba alcançaram uma altura recorde de 5,33 metros, agravando ainda mais a situação das inundações na região metropolitana.


Apesar da redução do nível do Guaíba e da diminuição das inundações em Porto Alegre, as previsões indicam que as águas voltarão a subir devido às chuvas recentes no Vale do Taquari. A partir do rio Taquari, as águas fluem em direção ao Guaíba, que deve enfrentar novos desafios com os impactos dos últimos temporais, com projeções da UFRGS apontando para um novo recorde de altura, chegando a 5,5 metros até terça-feira.


Além do relevo da capital, outros fatores contribuem para a gravidade da situação na Grande Porto Alegre, incluindo a formação topográfica das áreas circundantes, a extensão da bacia hidrográfica e o efeito das tempestades no Oceano Atlântico. Esses elementos combinados criam um cenário desafiador para o escoamento das águas e aumentam os riscos de inundações e danos à população e à infraestrutura local.


Diante dessa situação crítica, as autoridades locais e as equipes de resgate enfrentam um desafio monumental na gestão e mitigação dos impactos das enchentes, destacando a necessidade urgente de medidas preventivas e de adaptação para enfrentar os crescentes desafios climáticos na região.

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page